Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

Médico infectologista

O MÉDICO INFECTOLOGISTA realiza consultas e atendimentos médicos; trata pacientes e clientes; implementa ações de prevenção de doenças e promoção da saúde tanto individuais quanto coletivas; coordena programas e serviços em saúde, efetua perícias, auditorias e sindicâncias médicas; elabora documentos e difunde conhecimentos da área médica. Formação superior em Medicina com especialização em Infectologia.

+ ver mais

No momento não temos vagas disponíveis para esta profissão.

Realize uma nova busca ou navegue pelas áreas de atuação abaixo.

Médico infectologista

O Médico Infectologista é o profissional da saúde que fornece assistência aos pacientes com doenças infecciosas ou parasitárias, por meio de consultas e atendimentos, implementando ações que garantam a prevenção contra vírus, bactérias, Fungos e outros microorganismos, causadores de problemas patogênicos. Esse médico também realiza perícias e auditorias na sua área, além de elaborar documentos que difundem os respectivos conhecimentos médicos, e coordenar programas e serviços em saúde. O Médico Infectologista atua na prevenção primária, isto é, na educação em saúde, vacinação, assim como na prevenção secundária, com o tratamento de doenças infecciosas e sua prevenção direta.

 

Graduação Necessária

 

Para que o indivíduo possa desempenhar a função de Médico Infectologista é necessário que possua Formação Superior Completa em Medicina. Mas além da formação superior, é necessário que o médico conclua uma especialização em Infectologia. O tempo dessa especialização deve ser de três anos, sendo que no primeiro ano o médico atua em clínicas médicas, e os outros dois se direciona para a especialidade em si.

 

Regulamentação da Carreira

 

A profissão de Médico Infectologista é regulamentada pela Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, que dispõe sobre os Conselhos de Medicina, e dá outras providências. Existe também a resolução Nº 1.772/2005 do Conselho Federal de Medicina, publicada em 14 de agosto de 2005 no Diário Oficial, que trata do exercício da medicina por profissionais que tenham Título de Especialista ou Certificado na Área de Atuação e requer que estes obtenham o Certificado de Atualização Profissional.

 

Especializações Possíveis

 

Caso o Médico Infectologista, na obtenção de sua especialização necessária de três anos, permaneça durante mais um ano, há a possibilidade de se especializar em Infecção Hospitalar ou em Doenças Tropicais.

 

Aptidões Desejáveis

 

Deseja-se que o Médico Infectologista, assim como os demais profissionais da área médica, demonstre capacidade de atenção seletiva, rapidez de percepção, altruísmo e facilidade em lidar com pessoas em situações diversas, e de maneira humanizada. Também é fundamental que saiba trabalhar em equipe, seja empático e demonstre imparcialidade nos julgamentos feitos com os pacientes.

 

Campos de Atuação

 

A atuação do Médico Infectologista é ampla, pelo contrário do que muitos afirmam, ele aborda uma significante gama de doenças de todos os órgãos e sistemas do organismo. Isto é, estuda o tratamento clínico dos pacientes portadores do HIV na área SIDA, podendo desempenhar seu papel também na área da Medicina tropical, na qual prevalece o estudo sobre doenças específicas como malária, febre amarela, dengue, esquistossomose e leishmaniose. O Médico Infectologista ainda pode encontrar boas oportunidades nas comissões de controle de infecções hospitalares CCIH, e no estudo e tratamento de doenças piogências, que são doenças infecciosas comuns na prática médica, como exemplos, a pneumonia, a meningite, a piodermite, a Gastroenterite, a sinusite, a colite, e outras.

 

Certificações

 

Para assumir o título de especialista, o médico deve se certificar por meio da residência médica credenciada pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), órgão sediado no MEC e constituído por vários segmentos da sociedade, e através de exame promovido pelas Sociedades Médicas de Especialidades filiadas à Associação Médica Brasileira (AMB), assim como a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).