Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

07/02/2011 - 14h07

Demissão involuntária, como superá-la?

“Todas as formas de vida parecem ser guiadas pelo instinto e pelo código genético, menos os seres humanos. Somente os seres humanos conseguem mudar radicalmente o rumo de suas vidas e chegar a um destino diferente.”

 

Jim Rohm, executivo, escritor e filósofo

 

A demissão involuntária é uma realidade em nossas empresas. Todos os dias tomamos conhecimento sobre profissionais que foram afastados abruptamente de suas organizações pelos mais diferentes motivos:

 

  • Desonestidade
  • Desempenho medíocre
  • Falta de inteligência social
  • Inabilidade política
  • Estagnação profissional
  • Assédio moral ou sexual
  • Condições políticas, sociais e econômicas adversas, etc.

 

A demissão involuntária tem três causas básicas:

 

  • O próprio profissional– Ele é o único agente responsável pela própria demissão, apesar de que, na maioria das vezes, procura se eximir de qualquer tipo de responsabilidade e joga a culpa sobre os outros.

 

  • A empresa– Essa nunca deu a atenção merecida aos sinais visíveis do comportamento do mau profissional em seu ambiente:  impontualidade, falta de comprometimento na execução de seu trabalho, desempenho medíocre, falta de respeito para com os colegas de trabalho, conflitos de interesse, linguajar degradante e humilhante, entre tantos outros.

 

Além disso, a empresa nunca foi capaz de avaliá-lo competentemente e lhe dar um feedback objetivo, claro, transparente e direto sobre suas inúmeras vulnerabilidades. A sensação que se tem desse comportamento por parte de muitos superiores é a de que ele ou ela é adepto do mantra que diz: “deixe ele ou ela se enforcar com a própria corda”.

 

Os gestores adeptos dessa filosofia são extremamente danosos às organizações, visto que eles causam enormes prejuízos: os recursos dos acionistas são dilapidados, o ambiente interno se deteriora rapidamente, o talento humano é desperdiçado e o futuro da própria organização está comprometido.

 

  • A situação do mercado – Competição acirrada, ênfase na redução de custos a qualquer preço, recessão econômica, transferência do parque industrial para outra cidade, estado ou país, fusão, aquisição, obsolescência tecnológica, etc.

 

Nessas condições, o profissional, na maioria das vezes, não pode evitar a sua demissão. Ela foge ao seu controle. Portanto, a única coisa a fazer é estar sempre preparado para se posicionar no mercado. Essa é a garantia de que não ficará desempregado por muito tempo.

 

A demissão, por maior que seja o estresse que ela provoque nos demitidos (o estresse quando resultante de uma demissão é menor apenas que o da morte e do divórcio), representa uma das maiores e melhores oportunidades oferecidas ao profissional e a sua carreira. Reconheço que no momento em que ela ocorre é muito difícil encará-la como tal.

 

Vejamos alguns depoimentos de executivos assistidos pela Gutemberg Consultores em seu processo de transição – outplacement - que corroboram para o fortalecimento de meu argumento:

 

  • “Ser demitido de minha empresa foi a melhor coisa que aconteceu à minha vida.”

 

  • “Eu jamais poderia ter dado uma guinada tão radical na minha vida, se não tivesse sido demitido. Eu estava acomodado e necessitava de um choque de alta voltagem.”

 

  • “Agora, passado o sufoco de minha demissão inesperada, estou com o meu caráter mais fortalecido e apto para encarar novos desafios de maneira totalmente diferente. Ganhei uma nova alma.”

 

Mas, como manter a calma diante de uma notícia tão desagradável e quando o futuro da carreira e da família parece ameaçado para sempre?

 

Caro leitor, aqui estão algumas sugestões para sua reflexão e ação imediata:

 

  • Encare a demissão como um presente divino para promoção de sua renovação pessoal, profissional e familiar. Lembre-se que tudo tem um propósito debaixo do sol. Portanto, não se desespere, mesmo que no momento, este propósito não esteja claro para você.

 

  • Respire profundamente antes de falar. O seu cérebro não funciona bem quando você não respira de maneira adequada. Consequentemente, você pode vir a falar coisas que não deveria.

 

  • Não saia imediata e apressadamente à procura de novo posto de trabalho. Relaxe e prepare-se da melhor maneira possível para prospectar o mercado. Quanto mais preparado estiver, melhor para você. Nunca subestime a importância do preparo, em especial, nessas ocasiões.

 

  • Aproveite o tempo que tem à sua disposição para ler tudo o que puder sobre o mercado, suas armadilhas e oportunidades. Não seja displicente ou mesmo preguiçoso.  

 

  • Negocie, hábil e pacientemente, o pacote financeiro de sua rescisão – carro, seguro de vida, laptop, telefone celular, assistência médica e odontológica, outplacement, bônus, etc. Quanto mais lúcido estiver, melhor você poderá negociar.

 

  • Revise e negocie o orçamento mensal de suas despesas com a esposa e filhos. Sugiro que faça uma redução de trinta por cento. A mensagem aqui é muito simples: “Cuide de seus centavos e os milhões cuidarão deles próprios”.

 

  • Uma vez preparado para sair ao mercado em busca de novo posto de trabalho, use todos os canais disponíveis – headhunters, rede de relacionamento, broadcast letter, anúncios em jornais e revistas especializadas, internet, câmaras de comércio, sindicato, associação de ex-alunos, etc.

 

Caro leitor, o sucesso de sua prospecção se contrai ou se expande proporcionalmente ao seu esforço individual. Portanto, faça de sua busca um trabalho de dez a doze horas, de segunda a sexta feira.   

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail