Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

14/10/2010 - 18h44

Renovando sempre na guerra por talentos

O tema apagão de talentos é um dos mais comentados no mundo de Recursos Humanos e é possível observar que o assunto está delineado também para os próximos anos. Um dos segredos mais importantes nessa suposta guerra pelas melhores pessoas é o estilo de liderança que temos e o quanto nossos líderes estão prontos para renovar o velho.

Renovar tudo o que está desgastado significa muito mais do que às vezes imaginamos que estamos fazendo, significa criar todos os dias ambientes desafiadores, além de contribuir para o surgimento de novos desafios, mesmo quando temos que repetir as tarefas quase que da mesma maneira. Renovar o velho é trazer para as mesmas condições de ambiente e para o mesmo time de pessoas uma nova maneira de encarar o trabalho e formas inovadoras de realizá-lo.

Nem todos os líderes têm essa preocupação e, muitas vezes, pensam que a retenção de seus talentos pode ser feita por meio de compensação financeira ou de outros benefícios agregados, mas isso não basta. Também não creio que essa seja uma tarefa apenas da liderança. Acho que é uma tarefa de todos.

Criar e se impor novos desafios também é uma tarefa de cada pessoa que compõe uma organização. Motivar-se, buscar novas formas de fazer as coisas é uma competência pessoal e que nem todos têm. Muitos entendem que isso é algo que as condições externas lhes trarão. Um novo emprego, uma nova empresa, um novo chefe e, então, tudo estará novo e renovado. Essa é normalmente a solução mais fácil e simples daqueles que explicam suas próprias ações utilizando-se das condições externas. O difícil será criar o novo a partir do velho. O difícil é sentir-se motivado refazendo seu próprio dia a dia.

Acho que este é o novo perfil de sucesso. Os verdadeiros talentos cansarão facilmente de mudar de empresa atrás das condições ideais. Em algum momento o que parecia "novo" vai se tornar velho e caberá a nós reinventá-lo novamente.

Isto não é uma atribuição do nosso líder. Antes de tudo, é uma atribuição pessoal. Nenhuma empresa, por mais inovadora que possa parecer a princípio para alguém, jamais conseguirá manter esse status por muito tempo.

Porém, aquele que renova o velho, independe das condições externas, e passa a se reinventar, minimiza os riscos de falhar em suas escolhas. Assim, a pessoa passa a ter um dos principais componentes dos grandes talentos pelos quais as empresas brigarão duramente: depender em grande parte de si mesmo para se motivar.

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail