Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

26/08/2010 - 16h48

Panelinhas no trabalho prejudicam a produtividade

Pare por um minuto e observe as atitudes de uma criança. Verá que muitas das coisas que somos quando adultos começam desde cedo. Nossa natureza nos faz agir, reagir e nos comportar de maneira muito peculiar e exclusiva, própria de cada ser humano. É uma combinação do que somos com o ambiente em que fomos criados.

Quando observamos os grupinhos de jovens que se formam a cada dia nos colégios, condomínios, clubes, entre outros lugares, conseguimos identificar algo muito interessante.

A primeira observação é a de que as pessoas se agrupam por alguma identidade, seja de interesse ou de comportamento. Mais do que se agruparem, elas elegem outra turma para competir. Sem competição não tem a menor graça, já que eleger um vencedor é um atributo importantíssimo para esses grupos.

Trazendo esse cenário para as organizações, novamente reparamos que as atitudes se repetem. Se você tiver a oportunidade de analisar diversas empresas, certamente chegará ao denominador comum de que a formação de "panelas" é um dos principais motivos pela não obtenção de resultados.

É incrível ver pessoas adultas, supostamente maduras, brigando por espaço, discutindo por interesses pessoais, competindo para provar pontos de vista que nada agregam para o negócio, mas agregam para eles próprios. Neste caso, vão para casa mais felizes por terem conseguido mandar um e-mail para o chefe falando mal de alguém ou por terem conseguido atacar o outro numa vingança infantil e sem fundamento.

No final, este funcionário encerra o seu dia com uma sensação boa, de vitória, mesmo que não tenha conquistado nenhum resultado significativo para a organização. Cria inimigos dentro da própria empresa, além dos inimigos que o próprio mercado já impõe.

A justificativa que vejo nisso é que muitas pessoas têm insegurança do que são, do que fazem e do que representam. Elas necessitam se apoiar no bando para poder atingir algo que imaginam ser o sucesso ou a realização.

Conheci poucas pessoas de autoestima boa, que se realizam com aquilo que são e com o que fazem. Que ficam felizes pelo outro, pelo colega, que afinal está do mesmo lado. A maioria, para se perceber vitoriosa, necessita ver o outro derrotado. Luta desvairadamente por um reconhecimento, por um parabéns, por uma palavra de elogio. O que não percebe é que se o elogio não vem de si próprio primeiro, nunca o elogio do outro vai bastar, pois sua autoimagem não é satisfatória.

O papel do líder atual é lutar para que essas "panelinhas" empresariais sejam diluídas ou minimizadas. Apesar de serem da natureza do ser humano, são contraproducentes, atrapalham o desenvolvimento das pessoas e destroem a maior força contra o concorrente que é a capacidade de trabalhar em conjunto.

LEIA TAMBÉM:
Melhor momento para procurar emprego é quando está empregado; cuidado com as armadilhas
Bullying no trabalho: como lidar com essa situação
Gerente de gente da AmBev fala sobre redes sociais, carreiras e programas de trainee; assista

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail