Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

19/07/2010 - 14h52

Pense bem antes de pedir demissão sem ter um novo emprego

"Aquele que compara o que fez com o que ainda não fez sentirá o efeito decorrente da comparação entre a imaginação e a realidade; verá com desdém a própria insignificância e questionará o sentido de sua vida; ficará triste por não deixar sinal algum de sua existência, por não ter acrescentado coisa alguma ao sistema da vida, passando da juventude à velhice despercebido em meio à multidão, sem tentar se distinguir."
Samuel Johnson, 1709-1784

Como consultor especializado em transição de carreira, sou abordado com grande frequência por profissionais que desejam receber algum tipo de orientação sobre o melhor momento para solicitar a sua demissão.

Inúmeros são os motivos que os fazem desejar mudar de empresa:



  • Relacionamento conflituoso com o superior imediato -- o mais comum de todos os motivos.

  • Insatisfação com o trabalho que empreende. Sente que suas qualificações são subestimadas e que o seu talento pessoal não está sendo bem utilizado. Gostaria de fazer mais.

  • Estagnação profissional. Sente que sua carreira está perdendo velocidade ou simplesmente já estagnou. É preciso fazer algo imediatamente.

  • Remuneração inadequada. Assume, muitas vezes sem nenhuma base ou dado concreto - pesquisa salarial, por exemplo -, que recebe salário inferior ao do mercado etc.


Diante dessas e de tantas outras circunstâncias - "a síndrome da grama verde" - o profissional deseja fazer uma mudança urgente e radical. Então, sem nenhum estudo prévio mais aprofundado, solicita sua demissão sem que tenha nova posição.

George, nome fictício por questões confidenciais, sentia-se tremendamente angustiado e infeliz em seu emprego atual. Todas as noites, quando voltava para casa do trabalho, as únicas palavras que dizia à sua esposa eram: "Eu não quero continuar mais onde estou. Sinto que estou me autodestruindo. Não sinto mais nenhum prazer no que faço. Eu não posso esperar até que as coisas mudem de rumo na minha empresa. Vou solicitar minha demissão e procurar o trabalho dos meus sonhos." Certo dia, foi para o trabalho e solicitou a sua demissão.

Logo após solicitar sua demissão, voltou para casa e começou a trabalhar duro. Reordenou seu orçamento familiar, a fim de adequá-lo á sua nova situação; elaborou currículo, preparou referências pessoais, profissionais e pacote de remuneração; elaborou lista de pessoas que poderiam ajudá-lo em sua nova empreitada; cadastrou seu currículo em bancos de dados de dezenas de empresas de hunting, entre inúmeras outras providências. Quando concluiu todas essas etapas, ele ficou à espera dos telefonemas e e-mails que nunca chegavam.

Os dias pareciam passar mais rápido. Os seus recursos financeiros estavam minguando e novas preocupações povoavam a sua mente. Quando será que eu irei encontrar my "dream job?" Será que tomei a decisão correta? Não teria sido melhor se eu estivesse procurando um novo emprego trabalhando, mesmo que descontente e infeliz?

Para sua surpresa, seu colega de trabalho que em situação semelhante, mas sem recursos financeiros para custear longo período de desemprego, preferiu agir diferente - procurar nova posição empregado - foi contratado por novo empregador e recebeu um aumento salarial de trinta e dois por cento.

George pensou: minha recolocação dar-se-á de maneira muito superior. Afinal, sou muito mais experiente e qualificado do que meu colega. Mas ele se enganou profundamente. Passados doze meses, ele continuava desempregado e à procura do trabalho ideal que nunca encontrava. Quando os seus recursos financeiros se esgotaram, ele foi obrigado a aceitar uma posição inferior e um salário também.

Pergunto: O que deu errado com esse profissional? Ele se esqueceu de considerar algumas das regras invisíveis do mercado de trabalho:

1 - A contratação de um profissional desempregado pode demorar até o dobro do tempo de um empregado.
2 - O pacote de remuneração comumente a ele oferecido é pelo menos dez por cento inferior.
3 - As empresas preferem recrutar aqueles profissionais que são disputadas no mercado de trabalho pelo alto valor que agregam às organizações.
4 - Os profissionais que estão trabalhando comumente não deixam suas organizações por salários inferiores. As empresas contratantes sabem que é preciso oferecer um pacote de remuneração e benefícios substancialmente superior - altamente atrativo.
5 -O processo seletivo é excludente - procura-se eliminar aqueles profissionais que não reúnem as qualificações exigidas pela empresa contratante.

Caro leitor, se você estiver pensando em deixar o seu emprego atual pelos motivos acima mencionados, pense dez vezes. Lembre-se de George. E, se tomou a mesma decisão de seu colega - procurar novo emprego trabalhando -, nunca use o tempo que deveria dedicar às suas tarefas na empresa ou os recursos materiais de sua organização - e-mail, telefone, impressora, papel e envelopes timbrados, etc. Você pode estar sendo vigiado, como num "Big Brother".

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail