Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

21/06/2010 - 17h49

Combata o sentimento de rejeição antes que ele corroa a sua autoestima

O recrutamento e seleção de um profissional é um processo excludente, escrevemos em artigos anteriores. Os recrutadores são treinados e especializados na arte da exclusão. Eles têm de excluir do processo seletivo todos aqueles candidatos que por uma ou outra razão não preenchem os requisitos para o exercício pleno de uma posição. Esse comportamento é compreensível e louvável. Os recrutadores desejam contratar apenas os melhores candidatos - aqueles que verdadeiramente fazem a diferença. Essa é uma tarefa extremamente complexa. Mas dela dependem a saúde e o crescimento de uma organização.

Nesse processo que pode durar de 30 a 365 dias, dependendo da posição e das exigências impostas, inúmeros profissionais são eliminados por razões objetivas e subjetivas. Consequentemente, os preteridos podem, a partir de determinado instante, começar a duvidar de sua competência, nível de empregabilidade, entre outras questões.

Recentemente, assessorei um executivo que participou de 36 processos seletivos durante sua transição de carreira. A partir do sexto processo, ele emitia sinais visíveis e evidentes de desespero e manifestava sentimento de rejeição: "As empresas não valorizam o meu perfil. Nunca me senti tão pequeno em toda a minha vida. Sempre pensei que estava devidamente preparado para o mercado de trabalho". E a cada nova rejeição, novos desabafos surgiam "Acho que o meu tempo passou, as empresas não querem recrutar profissionais acima de quarenta anos..."

Sim, o sentimento de rejeição é comum a todo ser humano. Todos nós, por mais competentes, inteligentes, brilhantes e bem-sucedidos que sejamos, fomos algum dia preterido em alguma coisa - no namoro, na universidade, no emprego, na promoção, etc.

Warren Buffett, o mais renomado e celebrado investidor de nosso tempo, foi rejeitado quando fez sua aplicação para estudar na Universidade de Harvard. Rui Barbosa, um dos mais brilhantes juristas do país, foi rejeitado por ocasião de sua campanha à presidência do Brasil. Michael Bloomberg antes de se tornar o magnata das notícias da economia mundial foi demitido de maneira sumária e inesperada.

Caro leitor, se você é vítima de sentimentos de rejeição, recomendo que você tome as seguintes providências:



  • Nunca renuncie à integridade de sua mente. Reflita sobre o conselho dado por Sharon Lebell, "Pense duas vezes antes de abrir mão da integridade de sua mente para alguém que talvez mais tarde venha a ofendê-lo, deixando confuso e perturbado."


  • Jamais assuma a rejeição como algo pessoal e destrutivo. Lembre-se que a própria natureza se utiliza desse expediente, a fim de se autorrenovar. A rejeição, quando acontece, é também uma oportunidade que a vida nos concede para que repensemos os nossos pontos fortes e fracos, a fim de que nos tornemos melhores. Quando Alcides Amaral foi preterido no Citibank à posição de presidente, ele foi forçado a fazer uma reflexão sobre suas competências e atitudes - ele não tinha muita ambição, não via importância na fluência do idioma inglês, pensava que seu chefe ia se lembrar dele e fazer por ele aquilo que ele mesmo não fazia. Ao trabalhar seus pontos fracos, anos depois foi escolhido presidente. (Alcides Amaral, Os Limões da Minha Limonada, 2001).


  • Faça um balanço de toda a sua vida - suas perdas e conquistas. Acredito que tão logo você conclua essa tarefa, despertará para o fato de que você tem mais do que se orgulhar do que se envergonhar. Richard Adler foi um bem-sucedido executivo de empresa de propaganda na Califórnia. Ao completar 50 anos de idade, ele perdeu um de seus filhos em grave acidente de automóvel. Um ano depois, foi demitido da empresa da qual era presidente. O sentimento de rejeição o levou a uma profunda depressão. Meses depois, sua esposa o levou para uma praia no Havaí, a fim de tentar torná-lo uma pessoa sadia. Em um final de tarde, ele se pôs a fazer um balanço de sua vida e concluiu: por que levar uma vida tão infeliz, se tenho ainda mais do que eu perdi? A partir desse instante, o mundo e a vida mudaram completamente para ele.


  • Ocupe a sua mente apenas com aquelas coisas que você pode controlar. Há muitas coisas em nossa vida e carreira que não podemos controlar por mais que desejemos. Portanto, é pura perda de tempo e aborrecimento desejar fazê-lo. Você não pode controlar o mau humor de seu chefe, mas você pode se proteger de seus ataques. Você não pode fazer alguém gostar de você, mas você deve respeitá-la mesmo assim. Você não pode fazer o outro fazer aquilo que ele não deseja fazer, mas você pode tentar influenciá-lo pelo seu exemplo e palavras que inspiram. Portanto, focando apenas o que lhe compete fazer, evitará todo tipo de aborrecimento desnecessário. Em carta dirigida aos Filipenses, há uma recomendação por demais apropriada para os nossos dias que diz: "Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento." Em outras palavras, ocupe a sua mente apenas com pensamentos positivos e construtivos.

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail