Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

12/01/2010 - 15h39

Prestar atenção aos trajes é sinal de boa educação

A irreverência dos brasileiros, embora simpática, às vezes custa caro quando o assunto é ser bem tratado. Por exemplo, nas viagens de navio que circulam pela costa brasileira no verão, numa das noites acontece a tradicional festa do comandante.

Um evento que, segundo a tradição, exige que todos os presentes compareçam vestidos em traje formal (homens de paletó e gravata, e mulheres no estilo pretinho básico). O assunto é tão importante que as agências de turismo, os jornais distribuídos a bordo e o convite deixado nas cabines orientam e avisam sobre a necessidade do traje no tal evento.

Não é preciso dizer que boa parte dos passageiros brasileiros a bordo não respeita a solicitação e comparece à festa vestido de camiseta e bermuda ou de shorts e regata.

Até aí, parece um problema pequeno e que compete a cada um resolver, mas a coisa não rola bem assim. Acostumados com o jeitinho brasileiro de fazer as coisas ao seu modo, o pessoal de bordo é orientado também para muito sorriso e pouco serviço. Partem da premissa de que os brasileiros são um povo que não respeita formalidades e que em troca também aceita qualquer coisa como tratamento.

O desrespeito às regras estabelecidas numa coisa aparentemente "bobinha", como a formalidade dos trajes num navio, que para nós não significa nada, pode representar para pessoas de cultura diferente da nossa falta de civilidade e de boa educação.

Entendo que seja uma chatice receber como imposição o uso de um tipo de roupa, é prudente pensar no impacto que se causa quando não se respeita o que foi pedido, mesmo numa festa de navio.

Para evitar deslizes ou confusão, o ideal é que quando receber uma orientação para usar um tipo de traje, segui-lo a risca. É uma questão de imagem pessoal que pode acabar comprometendo também a imagem profissional. Para facilitar a vida e não errar, segue uma lista dos trajes adequados para cada situação:

Tipos de trajes para os homens
1. Esporte: camisa e calça social.
2. Esporte fino, passeio ou Tênue de ville: calça com blaiser e gravata.
3. Social ou passeio completo: terno escuro, camisa clara e gravata.
4. Black-tie ou Rigor: Smoking que deve ser preto ou azul tão escuro que fica mais escuro que o preto à noite. Manda a tradição que a camisa seja branca e os sapatos, para quem quiser ser hiper correto, pretos de verniz.
5. Gala: A casaca é o traje de cerimônia. Hoje só é usado para bailes ou para recepções muito solenes (em homenagem a reis e chefes de Estado ou na entrega do prêmio Nobel). Esse traje deve ser usado só em eventos noturnos. As mulheres devem usar vestido comprido e luvas.
6. Fraque: É um traje de cerimônia que só deve ser usado durante o dia. Para acompanhar esse traje as mulheres devem usar vestido curto, chapéu e luvas.

Para as mulheres
1. Esporte: calça comprida, terninhos, calça jeans com blusa.
2. Passeio: tailleur, vestidos, calças compridas de tecidos finos.
3. Passeio completo: vestidos ou calças de tecidos nobres, podem ser bordados e as bolsas devem ser pequenas.
4. Black-tie ou rigor: longos, curtos bordados, sapatos sofisticados com saltos muito altos, para quem aguentar. Bolsa bem pequena.
5. Bolsas: A bolsa para ser usada no trabalho é recomendável que seja grande e prática. Para o jantar deve ser pequena e para as festas mínima.
6. Luvas: no Brasil usa-se luva apenas em situações muito especiais. Caso a luva seja longa não é necessário tirá-la para os cumprimentos.

O importante é quando se tiver duvidas sobre o que significa um determinado traje perguntar para não pisar na bola e acabar errando.


LEIA TAMBÉM:
Aproveite o aquecimento do mercado para buscar um novo emprego
Você sabe enfrentar as armadilhas de uma entrevista de emprego?
Não transfira suas responsabilidades; assumir falhas é fundamental

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail