Não tem cadastro? Clique aqui!

Já tem cadastro? Entre aqui

  • BUSCAR
Busca avançada de vagas

Limpar campos

26/10/2009 - 11h10

Há vários tipos de entrevista; saiba como se portar em cada uma delas

"As pessoas querem que os outros ouçam suas opiniões, por isso lembre-se de demonstrar visivelmente que você está ouvindo atentamente". Randall D. Ponder, "Leadership made easy", 2005

Nenhuma entrevista de emprego é igual à outra. Cada uma tem sua natureza, objetivo, conteúdo, formato, circunstância, local, duração e resultado distintos. Portanto, qualquer profissional em busca de nova oportunidade de trabalho precisa desenvolver estratégias e argumentações distintas e convincentes para cada uma delas. Não importa se são feitas em uma mesma empresa. Aqueles que não observarem essa regra poderão desperdiçar oportunidades valiosas e sairão do processo dizendo que o mundo não lhes dá uma chance.

Existem, a saber, pelo menos cinco abordagens diferentes de entrevista:

A Tradicional - A mais comum de todas e para a qual muitos se preparam. O entrevistador tem um script e faz perguntas que cobrem vários aspectos da vida e carreira do profissional. Não é uma entrevista de grande profundidade. O entrevistador deseja apenas colher mais informações sobre o candidato - nível de experiência, formação acadêmica, pontos fortes, vulnerabilidades, objetivo profissional, nível salarial etc.

A Conversacional - Assemelha-se mais a uma conversa entre colegas do que a um diálogo entre candidato e empregador. Esse tipo de entrevista flui como se fosse um bate papo fortuito e corriqueiro. Portanto, não há um roteiro rígido e formal a ser cumprido. O entrevistador pode conversar sobre os mais diversos assuntos - política, futebol, economia, filosofia, musica, filme, acontecimentos nacionais, internacionais ou mesmo sobre ameaças, oportunidades e desafios de seu segmento mercadológico. Geralmente esse tipo de entrevista é conduzido por profissional inexperiente e sem conhecimento sobre a mecânica da entrevista.

A Comportamental - É conhecida também como entrevista situacional e focaliza aspectos de natureza tipicamente comportamental. O entrevistado é colocado diante de situações críticas e de problemas graves que exigem "sangue frio", diplomacia, capacidade para influenciar pessoas, maturidade etc. As perguntas podem ser embaraçosas: "Quantas vezes você faz amor com a sua mulher por semana?", "Nossa empresa acabou de perder o seu mais importante cliente. Que tipo de ações você tomaria para reconquistar esse ex-cliente?", "Seu futuro chefe tem um caso com uma de nossas colaboradoras. Todavia, ninguém até hoje teve coragem de enfrentar o problema cara a cara e resolvê-lo. Que atitude você tomará tão logo seja contratado por nossa empresa?".

A de Pressão Propositada - Como o próprio título sugere, ela objetiva colocar o entrevistado sob estresse profundo a fim de medir sua capacidade de tolerância à pressão. O entrevistador pode utilizar de várias estratégias e meios para provocar o candidato - usar de agressividade exagerada, fingir ignorar as respostas dadas pelo profissional, usar de sarcasmo e outros. Um dos protagonistas mais notáveis desse tipo de entrevista é Steve Jobs, criador da Apple: "Muitas vezes, em uma entrevista, eu perturbo as pessoas de propósito: critico seu trabalho anterior. Quero ver como as pessoas ficam quando estão sob pressão. Quero ver se simplesmente se curvam ou se têm firme convicção, crença e orgulho do que fizeram". A materialização de sua convicção pode ser observada por ocasião da entrevista com a gerente sênior de Recursos Humanos da Sun Microsystems. Em determinado momento da entrevista, Jobs provocou a candidata e disse: "Jamais conheci um de vocês que não fosse um cretino. Jamais conheci uma pessoa de RH que tivesse algo além de uma mentalidade medíocre". (Kahney, L., "Inside Steve's Brain", 2008). Sua reação: ela teve uma crise de choro e saiu da sala. Foi o fim do processo seletivo para ela.

A Expositiva - Em geral, é solicitado ao candidato uma apresentação formal e com tempo determinado sobre um assunto ou projeto do interesse da empresa. Esse tipo de entrevista procura avaliar a postura do candidato diante da alta administração, sua capacidade de raciocínio lógico e de convencimento, a habilidade no trato de questões complexas e inusitadas e o nível de conhecimento e de profundidade sobre o assunto discutido, entre outras questões.

Infelizmente, são poucos os profissionais que se preparam para se portar com elegância, firmeza, convicção e conhecimento durante a entrevista, qualquer que seja o seu tipo. Ao longo de trinta anos de carreira, jamais encontrei um profissional, exceto de recursos humanos, que tenha lido um livro sobre entrevistas de emprego. O conhecimento que as pessoas possuem sobre o assunto é elementar e restringe-se apenas a condução de uma entrevista tradicional.

Para ter sucesso numa entrevista de emprego, você deve ter alguns conhecimentos que são essenciais, como:

Autoconhecimento - Seus pontos fortes e fracos, necessidades de treinamento e desenvolvimento, valores pessoais, filosofia, estilo de vida e gerencial, competências mais relevantes, características de personalidade e projeto de vida, entre outros.

Conhecimento sobre o mercado potencial de seu futuro empregador - Você deve saber se ele está em expansão, declínio ou estagnação. Além disso, precisa conhecer as tecnologias dominantes, as tendências futuras, a legislação e o nível da mão-de-obra que emprega, entre outras questões.

Compreensão e domínio sobre o processo de entrevista - Como as empresas e os recrutadores operam? Quem são eles e como pensam? Quais qualificações possuem?

Conhecimento sobre a empresa - Sua história, valores, filosofia, produtos, serviços, objetivos, necessidades, desafios, principais concorrentes, clientes, fornecedores, nível de reputação no mercado de trabalho e "ranking" no seu segmento mercadológico.

Conhecimento Geral - Saber o que acontece no mundo e as implicações desses fatos na sociedade e nos negócios. Informe-se sobre os principais acontecimentos econômicos, políticos, sociais e culturais. Para isso, cultive o hábito da leitura dos bons jornais diários e revistas semanais nacionais e internacionais. Se você não tem acesso a esses veículos, use a Internet.

Quando um profissional adquire esses conhecimentos e habilidades, ele está totalmente preparado para criar uma boa e duradoura impressão junto a seus entrevistadores. Como sabemos, nada substitui o preparo pessoal e intelectual. As oportunidades procuram os preparados - nunca os despreparados. Afinal, eles não sabem reconhecê-las quando surgem.

Caro leitor, a melhor maneira de você se diferenciar de seus concorrentes no mercado de trabalho e de se distanciar da multidão desesperada em busca de um emprego é transformar a informação em vantagem competitiva. A maneira como você coleta, analisa, usa e gerencia a informação é que determinará se você sairá de cada batalha como vitorioso ou derrotado. O fluxo da informação é o sangue vivo de sua carreira profissional. Portanto, mantenha-o sempre vivo e em movimento.


LEIA TAMBÉM:
Era do conhecimento: empresas investem e exigem mais de seus profissionais
Conflito não administrado é sinônimo de problema futuro
Faça um bom plano de carreira e trabalhe suas metas

ver mais dicas

Destaques

Currículo
Cuidado na sua redação
Carreira
A Escolha da Profissão
Sabe a diferença?
Recolocação, Outplacement , Headhunting e Coaching
Colunas
Daniela do LagoDaniela do Lago
Cezar TegonCezar Tegon
Eugenio MussakEugenio Mussak
Elaine SaadElaine Saad
Gutemberg de MacêdoGutemberg de Macêdo
Judith BritoJudith Brito
Licia Egger MoellwaldLicia Egger Moellwald
Luiz PagnezLuiz Pagnez
Boletim
Receba por e-mail o boletim do Emprego Certo

É necessário informar um e-mail